Investigado de estimação

Por Bruno Duarte

A entrevista dada por Joesley Batista, o comprador de políticos mais badalado na política brasileira, à revista Época trouxe mais uma bandeja de porcalhadas vinda dos chiqueiros que deveriam ser instituições sérias no Brasil.

Deu ao presidente Temer, o título de “chefe de quadrilha” e acrescentou detalhes do que já havia delatado. Jogou mais lama em Temer, subordinou o ex-presidente da câmara e hoje presidiário Eduardo Cunha  ao presidente Temer entre outras.

O presidente em sua defesa joga para platéia ao dizer que estão usando-o para tirar o ex-presidente Lula do foco da Lava Jato, e isso tem surtido efeito no meio dos defensores da saída do PT do poder, que antes unidos, agora divididos, entre a saída de Temer ou não.

O fato é que os possiveis crimes do presidente são dignos de investigação e se confirmados, devem ser punidos, não dão aval para o dito menos pior melhor, que está sendo defendido por muitos nessa hora.  Lula que aliás está sendo bem cuidado pelo juiz Sérgio Moro, obrigado, se iguala aos demais na condição de réus e investigados pela Lava Jato, não pode ser considerado padrão para comparar com outros que vivem a mesma situação.

O que a sociedade deve ter em mente é que não existe investigado de estimação, sendo comprovado, tem que ser punido.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s